Acessar o site em Inglês Acessar o site em Português
  • ANPO

  • TV ANPO

  • CTR/ANPO
  • IG DO GRANITO
  • BIBLIOTECA

  • EMPRESAS


Fábrica de argamassa usa resíduos de pedras ornamentais

Publicado em 11/08/2011

A determinação de transformar a atividade de extração de rochas em uma produção limpa movimentou os empresários de Santo Antônio de Pádua, noroeste fluminense. A fábrica de argamassa com tecnologia limpa, inaugurada no começo de junho, foi a concretização deste propósito e é um marco importante para a atividade.

A produção limpa eleva para um novo patamar o Arranjo Produtivo Local (APL) de Rochas Ornamentais do Noroeste Fluminense e se alinha à política do Estado. No maior pólo mineral do Rio de Janeiro, são empregadas cerca de 6 mil pessoas e a extração é a principal atividade econômica da região.

A fábrica da Argamil, empresa do Grupo Mil, da cidade de Três Rios, vai utilizar a tecnologia desenvolvida pelo Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) e do Instituto Nacional de Tecnologia (INT) do Ministério da Ciência e Tecnologia. Com capacidade de produção de 20 mil toneladas por mês, o empreendimento, que gera 100 empregos diretos e outros 100 indiretos, contou com a participação de órgãos federais, estaduais, prefeitura e entidades como o Sindicato de Extração e Aparelhamento de Gnaisses no Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, Sebrae e Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan)

"Mais de 15% das pedras que chegavam às serrarias para o corte eram transformadas em pó, cerca de 2,5 mil toneladas por mês que os empresários pagavam para retirar de suas serrarias. O que era considerado lixo agora é a matéria-prima para a fabricação da argamassa", explica o José Maurício Apolônio, gestor do Sebrae no APL de Rochas Ornamentais.

Para garantir o fornecimento, 76 serrarias se comprometeram com o processo e construíram tanques de decantação que separa o pó e ainda permite o reaproveitamento da água. "Para o empresário, isso significa uma economia de 345 mil litros de água por máquina de corte. Mas o grande ganho é evitar a poluição dos mananciais", diz o presidente do Sindicato de Extração e Aparelhamento de Gnaisses do Noroeste Fluminense, João Batista Fernandes Lopes.

Em dois anos, o presidente do Sindicato avalia que o pólo, que produz 420 mil metros quadrados de pedras por mês, vai estabelecer um novo marco com a inauguração de fábrica de fertilizantes para reutilizar os resíduos produzidos pelas pedreiras. No processo de explosão para a retirada das pedras, mais de 60% viram cacos. As aparas representam 3 mil toneladas ao mês. "Vamos transformar mais um elemento que degrada o meio ambiente em um produto nobre como o fertilizante", comemora João Batista.
Fábrica de argamassa usa resíduos de pedras ornamentais

Compartilhe:

 

 

Visitas: 307



Entre em contato

Site seguro

https://anpo.com.br/ https://anpo.com.br/