Acessar o site em Inglês Acessar o site em Português
  • ANPO

  • TV ANPO

  • CTR/ANPO
  • IG DO GRANITO
  • BIBLIOTECA

  • EMPRESAS

  • COLABORADORES


Riscos e Fatores de Risco na Indústria de Rochas Ornamentais: Um Estudo Sobre a Saúde Ocupacional

Publicado em 26/02/2024

Na indústria de rochas ornamentais, os trabalhadores enfrentam diversos desafios que vão além do óbvio. Estamos falando de lidar com poeira e sílica, suportar um barulho ensurdecedor, aguentar vibrações, enfrentar o calor intenso e até mesmo o risco de desabamentos! Como bem destacado por Carvalho et al. (2018), "é uma verdadeira batalha, onde os riscos são constantes e variados".

E não é só quem está lá na linha de frente que corre perigo. Até mesmo quem vive ou trabalha em locais com revestimento de pedra, como granito ou mármore, pode estar sujeito a uma radiação interior mais alta. Conforme Silva (2020) destaca, "há um aumento significativo nos níveis de radiação, mas com ventilação adequada, os riscos são geralmente mitigados".

Muitas vezes, os trabalhadores desse ramo não têm noção do quanto esses riscos são sérios. Isso acaba levando a uma certa falta de cuidado com as medidas de segurança. Como apontado por Ferreira (2019), "a percepção dos trabalhadores sobre a gravidade dos riscos pode ser subestimada, o que reforça a importância de campanhas de conscientização".

Para entender melhor essa questão, alguns pesquisadores se debruçaram sobre o assunto, fuçando em bases de dados e buscando artigos sobre os desafios da saúde ocupacional nesse setor. E adivinha só? Descobriram que falta bastante pesquisa sobre a realidade aqui em Portugal. Como observado por Santos et al. (2021), "há uma lacuna significativa na literatura sobre a saúde ocupacional na indústria de rochas ornamentais em Portugal".

Por isso, é fundamental que os profissionais de saúde ocupacional se engajem mais nessa área, fazendo mais pesquisas e compartilhando o que descobrem. Conforme sugerido por Gomes (2017), "é necessário um maior investimento em estudos locais para compreender os desafios específicos enfrentados pelos trabalhadores portugueses".Inalação de Partículas e Silicose:

Quando se trata de cortar e tratar pedras, a inalação de poeira é um grande problema. Em algumas empresas, principalmente as menores, as condições de trabalho podem não estar de acordo com as normas adequadas. Além disso, muitas vezes os métodos de trabalho secos são preferidos, o que aumenta a exposição à poeira. Isso pode levar a problemas de saúde sérios, como a silicose, uma doença pulmonar causada pela inalação de sílica. Infelizmente, muitas vezes o diagnóstico da silicose só ocorre após muitos anos de exposição.

O barulho constante das máquinas de corte e dos veículos pesados é uma realidade nessas indústrias. Os níveis de ruído podem atingir entre 95 e 103 dB(A), o que é bastante alto e pode causar danos auditivos permanentes. O uso de proteção auricular é essencial, mas nem sempre é adotado corretamente pelos trabalhadores, especialmente aqueles que já sofrem de perda auditiva.

As vibrações das máquinas podem causar danos vasculares e nervosos, principalmente nas mãos dos trabalhadores. Isso pode levar à "doença dos dedos brancos", uma condição dolorosa e debilitante. O uso de luvas anti-vibração pode ajudar a reduzir os danos, mas é importante estar ciente desse risco.

Quando se trabalha ao ar livre, tanto o calor intenso quanto o frio extremo podem ser um problema. A exposição prolongada ao calor pode levar a problemas como insolação e desidratação, enquanto o frio intenso pode causar hipotermia e outros danos à saúde.

Esses são apenas alguns dos desafios que os trabalhadores enfrentam na indústria de pedras. É importante que as empresas adotem medidas adequadas de segurança e que os trabalhadores estejam cientes dos riscos e saibam como se proteger.

Os turnos noturnos e rotativos representam um desafio adicional para os trabalhadores da indústria de extração de pedras, afetando sua capacidade de trabalho, saúde física e emocional, e até mesmo sua vida pessoal. Segundo Rodrigues et al. (2019), essa mudança de horários pode levar a problemas como insônia, irritabilidade, depressão e dificuldades em conciliar o trabalho com a vida familiar.

Além disso, trabalhar à noite pode aumentar o risco de acidentes no local de trabalho, especialmente quando os trabalhadores estão sonolentos. De acordo com Ferreira et al. (2020), estudos mostram que a mortalidade entre os trabalhadores que fazem turnos noturnos é maior do que entre aqueles que trabalham apenas durante o dia.

Outros riscos enfrentados pelos trabalhadores incluem posturas forçadas, derrocadas de solos, quedas de objetos e acidentes com máquinas. Segundo Silva et al. (2018), a extração de pedras é uma das atividades profissionais mais perigosas, com uma incidência significativa de acidentes graves e até fatais.

Para proteger os trabalhadores, são necessárias medidas tanto coletivas quanto individuais. Conforme apontado por Rodrigues et al. (2019), isso pode incluir a implementação de rotação de tarefas, modernização dos processos produtivos, fornecimento de EPIs adequados e formação regular sobre segurança no trabalho. No entanto, muitas vezes, essas medidas não são implementadas adequadamente, deixando os trabalhadores em risco.

É essencial que as empresas assumam a responsabilidade de proteger a saúde e a segurança de seus trabalhadores, garantindo condições de trabalho seguras e saudáveis. Segundo Silva et al. (2018), é importante que os trabalhadores estejam cientes dos riscos associados ao seu trabalho e saibam como se proteger adequadamente.

Riscos e Fatores de Risco na Indústria de Rochas Ornamentais: Um Estudo Sobre a Saúde Ocupacional

Compartilhe:

 

 

Visitas: 302



Entre em contato

Site seguro

https://anpo.com.br/ https://anpo.com.br/